Brasilata ganha o Prêmio Suvinil de Inovação 2015


Lata premiada NewPlus 

Executivos da Brasilata na festa do Prêmio Suvinil: Alexandre Gonçalves, Sandra Biolo Tavares, José Maria Granço e Tiago Forte, com a atriz Bruna Lombardi e Antonio Lacerda, Vice Presidente BASF América do Sul

As tendências do futuro na utilização das tintas imobiliárias são os conceitos analisados no escopo do prêmio Suvinil de Inovação, criado pela BASF, companhia mundial que comemora, em 2015, 150 anos de história. Este enfoque amplo promove a marca Suvinil, que detém 60% de participação do segmento premium do mercado de tintas, e é reconhecida e admirada pelo consumidor brasileiro. 

A companhia internacional promoveu o "Creator Space tour São Paulo” e criou a premiação com o objetivo de estimular soluções criativas, sustentáveis e gerar experiências inovadoras com a marca Suvinil. A avaliação foi feita por uma comissão julgadora da Suvinil com base em critérios como inovação, potencial de aplicabilidade, vantagem competitiva, sustentabilidade e apresentação do projeto. 

Ao disputar nestes quesitos, a Brasilata, maior fabricante de latas de aço do país, conquistou a 1ª colocação entre os fornecedores no Prêmio Suvinil de Inovação com sua nova embalagem – o galão NewPlus. A cerimônia de entrega foi realizada em 21/08/2015 no MUBE – Museu Brasileiro da Escultura, em São Paulo.

"Trabalhamos continuamente para oferecer soluções inovadoras para o setor de tintas e produtos químicos”, destaca Tiago Heleno Forte, CEO da Brasilata. "Com a BASF, desenvolvemos uma parceria de longa data e este novo galão traz vantagens para toda a cadeia. Graças aos esforços, tanto da Brasilata como da BASF, o produto tem sido um sucesso no mercado”. 

Lançado ao mercado com a tinta "A Clássica Maxx – látex premium Suvinil”, o galão New Plus tem alça plástica exclusiva e patenteada, que substitui as orelhas soldadas e oferece vantagens uma vez que ocupa menos espaço no transporte, na armazenagem e também na prateleira da revenda de tintas por não possuir a "orelha” de metal. Por não ter as "orelhas” metálicas o novo galão oferece vantagens uma vez que evita atritos no transporte, e possíveis riscos na embalagem.

Por ser uma lata expandida, possui sua parte inferior com diâmetro menor (157 mm) do que a área da tampa e do anel. Do ponto de vista da sustentabilidade, é uma embalagem que demanda menos matéria-prima na fabricação: o galão utiliza 3% menos folha de aço (flandres) no corpo da lata, e 11% menos folha metálica no fundo, devido à redução do diâmetro de 165mm para 157mm.